“A ideia aqui não é convencer ninguém a abandonar o Facebook e o Google, mas apresentar a você alternativas comprovadamente eficientes e com grande capacidade de conversão de vendas.”

Muitas empresas focam todo o seu esforço de marketing digital nas redes sociais do Facebook e no SEO e Ads do Google. A princípio é compreensível e natural que a equipe opte por estes canais, pois eles são familiares a profissionais da área e possuem uma audiência descomunal. Mas não é nada aconselhado e chega a ser temerário você ficar dependente dos algoritmos, das métricas apresentadas, das políticas e dos preços destas Tech Giants. Até porque existem outros formatos ou plataformas que podem trazer resultados melhores a custos muito menores. A ideia aqui não é convencer ninguém a abandonar o Facebook e o Google, mas apresentar a você alternativas comprovadamente eficientes e com grande capacidade de conversão de vendas.

Dentre inúmeras razões para uma empresa diversificar seus canais digitais de aquisição, os 2 pontos listados abaixo são motivos mais que suficientes para você começar a fazer isso já:

1 – Custo e esforço: ganhar relevância no Google e conseguir converter vendas via Instagram e Facebook requer um trabalho árduo e demorado, além de um investimento alto e contínuo.

2 – Capilaridade: é bem possível que sua comunicação não consiga atingir grande parte do seu público-alvo usando apenas estes canais, principalmente se você precisa falar com amigos, parentes, colegas e vizinhos dos seus atuais clientes – que já conhecem e gostam dos seus produtos ou serviços e, por isso mesmo, já carregam com eles o mais persuasivo meio de comunicação de todos os tempo: a recomendação.

Colocamos aqui algumas alternativas que podem aumentar seus resultados sem depender de grandes investimentos no Google e Facebook.

Programas de Relacionamento e Reconhecimento pelo Engajamento.

Cada brasileiro têm centenas de contatos nos meios digitais (segundo pesquisa do LinkedIN, 894 em média entre endereços de emails, números de WhatsApp, seguidores nas redes, etc). 92% das pessoas sentem muito mais confiança em recomendações de amigos e conhecidos do que em anúncios. Ou seja: de uma maneira ou de outra somos todos influenciadores. Comunicar com as pessoas que são seus clientes e, possivelmente, já estão na sua base de contato, é uma maneira eficiente e barata de capitalizar e aumentar o alcance das suas mensagens. Programas de Relacionamento que estimulam os usuários a engajar em conteúdos, compartilhar ofertas em troca de benefícios farão sua comunicação muito mais efetiva e levarão seus produtos ou serviços a públicos que você não atingiria por nenhum outro meio. Use a abuse de recomendações: este é o modelo que gera muito mais confiança e, por isso mesmo, converte muito mais que anúncios pagos.

 “Usar estratégias como recomendações on-line – que geram mais credibilidade do que conteúdos patrocinados ou anúncios impulsionados e chegam a ter taxas de conversões até 4 vezes maiores – são alternativas comprovadamente eficientes.”

WhatsApp, Telegram e Messenger

O compartilhamento via aplicativos de mensagens é o que eu costumo chamar de “propagando invisível”: ela circula de celular em celular com uma velocidade incrível e uma capacidade de vitalização e capilaridade que nenhum outro meio possui – mesmo com as limitações de compartilhamento impostas recentemente pelo WhatsApp. Estes são, sem dúvida, os melhores canais de comunicação peer-to-peer. Porém, qualquer estratégia neste sentido tem que considerar a impessoalidade das mensagens. Ou seja: não seja invasivo ou inoportuno para não gerar um efeito contrário ao desejado. Uma coisa é você receber uma mensagem de um amigo falando sobre um produto X, outra completamente diferente é a marca Y, sem nenhuma autorização ou contato prévio, mandar ofertas para o celular de um potencial comprador. O mesmo vale para bots: 72% das pessoas abandonam uma conversa quando percebem que estando falando com uma máquina. Bots são muito bem-vindos, mas em um determinado ponto, a interferência e empatia humana é o melhor a fazer.

Email marketing

O conteúdo relevante aliado aos recursos de notificações e push, sem dúvida é um poderoso meio de engajar e fazer o usuário retornar a sua plataforma. Como já falei disso anteriormente, fica o LINK para quem quiser aprofundar no tema.

Twitter

Muitas vezes negligenciado, o microblog tem algumas das melhores taxas de resultados e números muito expressivos para passar em branco na sua estratégia de aquisição: são mais de 100 milhões de usuários diários, mais da metade deles (62%), pessoas entre 18 e 49 anos. E o melhor: com possibilidades de segmentação de público muito bem definidas. Como possui uma timeline bem menos poluída de anúncios (como o Facebook e o Instagram), há grandes chances que o seu conteúdo, compartilhado lá, tenha um ótimo destaque entre os posts dos usuários. Consequentemente, maiores chances de conversão de vendas.

Linkedin

Se seu modelo é B2B, você precisa ser visto e conhecido por tomadores de decisão ou investidores, sem dúvidas que você têm que estar presente nesta rede. Por ter um público bem mais qualificado e com poder de compra nas mãos, a plataforma é uma ótima opção para buscar parceiros estratégicos e engajamento de potenciais clientes.

Streaming e Podcasts

A transmissão ao vivo de conteúdo têm atraído cada vez mais interessados, principalmente entre os mais jovem. Este público tende a ser receptivo à anúncios e parcerias com influenciadores e, com a recomendação deles, geram confiança e uma taxa de conversão e retorno bem mais altas que os demais canais. Com o isolamento social, as lives começaram a ser mais frequentes e a audiência cresceu muito. Já os Podcasts chegaram há pouco tempo e já estão fazendo um imenso sucesso com o público entre 23 e 39 anos. Investir neste formato pode fazer toda a diferença quando é preciso alcançar pessoas com um interesse específico.

Orgânico estimulado

Fazer um trabalho contínuo e de médio prazo de SEO garante que seu produto ou serviço seja encontrado mais facilmente no Google por pessoas que estejam em busca deles. O público tende a confiar mais em sites organicamente bem ranqueados no Google e, com o uso dos conteúdos certos, o acesso aumenta sem precisar investir no Google Ads. A atualização frequente de conteúdos relevantes, seja por meio de blogs, vídeos, podcasting e listas de e-mail marketing, é possível manter contato frequente com seu publico-alvo, adotar uma estratégia de funil de vendas e fazer uma abordagem mais comercial quando ele demostrar sinais de interesse de compra. Mas, se ancorado no trabalho de influenciadores bem selecionados e o uso de compartilhamentos de afiliados podem fazer sua comunicação ganhar uma visibilidade gigante e ter um alcance “orgânico” enorme.

Por fim: desenvolver e investir em formas mais inteligentes e racionais nos meios digitais, em plataformas diferentes das usuais ou em um novo formato de conteúdo pode trazer um resultado tão bom quanto o tradicional. E, em muitos casos, melhor e mais barato.


Cadu Senna

Cadu Senna é Marketer 4.0, Head de Inovações, Fundador e CEO da OQ Digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *